Main content

Por: Carolina Zambrano Barragán

Este artigo foi escrito há um ano, pouco depois de Carolina assumir o papel de Diretora do Programa Todos os Olhos na Amazônia.

Publicado originalmente em: Rede Equatoriana de Mulheres Cientistas

Espero ansiosamente no jardim e sinto como o sol queima meu rosto enquanto me abrigo sob o arupo florido que costumo explorar com meu irmão Patricio. Dois minutos depois, meu avô René chega com um pedaço de favo de mel na mão, cheio de mel pingando entre os dedos. Meus olhos e minha alma pulam e, por 30 segundos, desfruto plenamente do mel misturado com cera, até que a cera se transforme em chiclete. Imediatamente peço outro pedaço ao meu avô, quase com a mesma energia que minha filha hoje me pede um doce ou um torrone de panela e farinha machica. É 1987, tenho 7 anos e essa cena marcaria não apenas minha infância, mas meu modo de vida.

Há apenas um ano, estudando Narrativa Pública em Harvard, descobri que foi meu avô e suas abelhas que me levaram a estudar biologia e depois me especializar em mudanças climáticas e meio ambiente. Meu treinamento começou cedo, com aulas de apicultura para crianças, misturadas com viagens à Amazônia equatoriana, onde acompanhamos minha mãe Lourdes em suas viagens de campo como antropóloga. Imagens das abelhas, do meu primeiro encontro com uma jibóia e de nosso passeio de barco com os nativos shiwiar e sapara alimentam minhas memórias de infância. Anos depois, minhas viagens de campo como bióloga preenchiam essas imagens com nomes científicos de plantas, sapos e pássaros.

Carolina e sua família em Harvard

A biologia também me levou às Ilhas Galápagos, onde fiz minha tese na ilha Española. Estudei a influência da lua nos Atobás-de-Nazca e, embora tenha sido uma experiência incrível, me ajudou a perceber que minha paixão não era estudar o comportamento dos animais, mas tentar salvá-los. Foi então que comecei a trabalhar com meio ambiente e mudanças climáticas, especialmente na interface entre ciência e política e entre política e ação. Minha paixão pela natureza me levou a lugares como Madagascar e Peru, e a estudar Gestão Ambiental em Yale e Administração Pública em Harvard. Apesar de não ter recursos para pagar por nenhuma dessas viagens ou estudos, meu irmão e minha mãe sempre me ensinaram a me aventurar, então encontrei bolsas de estudo para aprender nas melhores universidades e explorar o mundo. Como Valentín, um colega colombiano de Harvard, diz: "É preciso levantar a mão e aproveitar todas as oportunidades que cruzam seu caminho".

Minha experiência e formação me levaram a ocupar posições importantes no governo e em ONGs no Equador e na América Latina. Fui Diretora, Secretária Adjunta e Vice-Ministra, além de Gerente Programática de organizações regionais e internacionais. No entanto, nenhuma dessas posições e títulos faria sentido se eu não estivesse fazendo o que me interessa, que é procurar maneiras para que o desenvolvimento humano e a conservação da natureza andem de mãos dadas, como elementos interdependentes de nossa existência.

Para esta finalidade, e ao contrário de algumas de minhas colegas mulheres cientistas, acho que encontrei meu nicho como “especialista generalista”. Eu sinto a ciência em meu cotidiano enquanto trabalho em ações climáticas nas cidades e florestas, em mitigação e adaptação e em tecnologia e inovação. O mundo em que vivemos é muito complexo e as respostas que geramos aos desafios atuais exigem mudanças nas normas, crenças e comportamentos. Isso requer habilidades interpessoais, uma formação que permita entender melhor como o mundo funciona e também paciência. As mudanças necessárias são profundas e, embora sintamos a necessidade de impulsionar ações drásticas e urgentes para que o mundo melhore, acho que é fundamental ver esse processo como uma maratona, e não como uma corrida de velocidade.

Escrevo agora este texto a 10.000 pés de altitude, em um voo entre o Rio de Janeiro e Brasília. Após dois mestrados e quase 12 anos de trabalho no governo e ONGs no Equador e na América Latina, meu trabalho me leva de volta à defesa da Amazônia e dos povos indígenas que vivem lá. O mundo mágico que marcou minha infância está sob pressão e ameaçado pelo extrativismo, pela expansão da fronteira agrícola e pelas mudanças climáticas, por isso algumas organizações como a minha estão promovendo o uso de tecnologias para o monitoramento florestal e a defesa do território.

Carolina e seus dois filhos

Em 2050, meu filho terá a minha idade e espero que ele e seus filhos possam conhecer e amar o que vi: comer favo de mel, viajar de barco pela floresta amazônica, conhecer os Atobás-de-Nazca das Ilhas Galápagos e muito mais. É por isso que espero que crianças e jovens continuem estudando e fazendo ciência para entender melhor nosso mundo e se conectando com outras pessoas para traduzir essa ciência em ações concretas para preservá-lo. No meu caso, a ciência - e especificamente a biologia - abriu as portas para diferentes papéis, me deu conhecimento e encheu minha cabeça de perguntas. Espero que muitas crianças tenham a sorte de experimentar algo semelhante e que, com a ciência, nunca percam a capacidade de admiração.