Main content

10 de setembro, 2020

No âmbito do programa apresentamos o Concurso de Jornalismo de Dados "Todos os Olhos na Amazônia", como uma iniciativa para incentivar a participação de jornalistas como criadores de conteúdo que tornam visíveis as ameaças enfrentadas pelos povos indígenas e comunidades locais na Amazônia, para a promoção da consciência ambiental e do impacto social.

A chamada foi aberta de 26 de fevereiro a 1º de agosto. Recebemos 17 artigos em português, inglês e espanhol, de 5 países latino-americanos e europeus, publicados em meios de pesquisa reconhecidos regional e internacionalmente.

Após um processo de avaliação interna, foram escolhidos 6 finalistas, que foram avaliados por uma comissão externa composta por jornalistas e representantes de organismos de investigação, para determinar os vencedores.

No dia 10 de setembro, foi realizado um evento de premiação online no qual anunciamos os vencedores.

Primeiro lugar: Com o Bolsonaro, fazendas foram certificadas de maneira irregular em terras indígenas na Amazônia

Foto: Thiago Miotto/CIMI

Por: Bruno Fonseca, Rafael Oliveira

Agência Pública

Resumo: Cruzar dados de propriedades privadas com Terras Indígenas. E descobrir fazendas concluídas pelo governo invadindo TI, que perderam a proteção com o novo padrão da Funai. Também cruza declarações no Cadastro Ambiental Rural para identificar terras pertencentes a proprietários de TI.

Originalmente publicado em: https://apublica.org/2020/05/com-bolsonaro-fazendas-foram-certificados-de-maneira-irregular-em-terras-indigenas-na-amazonia/ 

Segundo lugar: Mineração em terras indígenas com nome e sobrenome

GIF: Agência Pública

Por: Anna Beatriz Anjos, Bruno Fonseca, Ciro Barros, José Cícero da Silva, Rafael Oliveira, Thiago Domenici

Agência Pública

Resumo: Dados não publicados revelam aumento dos processos de busca mineira em essas áreas em 2019, revertendo a tendência de queda dos últimos anos. Entre os potenciais beneficiários estão grandes figuras políticas do Amazonas, cooperativas mineiras com parceiros envolvidos na denúncia de crimes ambientais, um magnata global da mineração e até um artista paulista.

Originalmente publicado em:- https://apublica.org/2020/02/a-mineracao-em-terra-indigena-com-nome-sob título-ecnpj/ 

Terceiro lugar: Organizações religiosas americanas mapeiam os povos indígenas no Brasil e não interrompem ações com isolamento mesmo durante a pandemia.

Foto: Gleilson Miranda / Governo do Acre

Por: Mariana Della Barba e Diego Toledo

Repórter Brasil

Resumo: Como as missões religiosas, muitas delas estrangeiras, Eles atuam no Brasil, seja tentando converter indígenas ou mapeando-os. Ele lista sites estrangeiros que oferecem vagas de emprego para evangelizadores trabalharem em aldeias e detalha o nível de conversão religiosa de grupos étnicos. 

Publicado originalmente em: https://reporterbrasil.org.br/2020/06/organizacoes-religionales-dos-eua-mapeiam-indigenas-no-brasil-e-nao-interrompem-acoes-com-isolados-mesmo-durante- uma pandemia / 


Os jornalistas vencedores receberão um prémio monetário de até US $ 2.500 e seus artigos serão traduzidos para o espanhol e inglês e ampliados pelos canais Hivos da América Latina. 

Você pode ver o evento de premiação aqui: